Jac Motors terá van para transporte VIP

Fotos: Sueli Osório Visual da van chinesa deve passar por algumas mudanças para o mercado brasileiro

Fotos: Sueli Osório
Visual da van chinesa deve passar por algumas mudanças para o mercado brasileiro

Veículo chegará em outubro custando entre R$ 90 mil e R$ 100 mil

Sueli Osório

O presidente da JAC Motors do Brasil, Sergio Habib, aproveitou o evento de inauguração de mais uma concessionária da marca, na Av. Dr. Ricardo Jafet, em São Paulo, para apresentar o novo produto, que estará à venda no País a partir de outubro. Trata-se da T8 (T refere-se aos veículos comerciais da marca e 8 porque é a capacidade de ocupantes da van), que deverá custar entre R$ 90 mil e R$ 100 mil, dependendo da variação cambial do momento.

Segundo Habib, atualmente não há concorrentes no País para a van, que tem teto alto e será voltada principalmente ao transporte VIP. “Poderá ser usada para levar pessoas ao aeroporto, por agências de viagem, para transporte de executivos”, exemplificou. O executivo disse que pretende trazer 1.500 desses veículos por ano. “A JAC vende 60 mil desses veículos anualmente na China”, disse.

Com pouco mais de 5 metros de comprimento, 1,84 metro de largura, 1,97 metro de altura e 3,08 de distância entre os eixos, a van tem bom espaço para os ocupantes. Sob o capô, o motor é o 2.0 16V a gasolina com injeção eletrônica e turbocompressor com intercooler. O bloco entrega 175 cv a 5.400 rpm e torque de 25,8 mkgf a 4.000 giros. O câmbio é manual de seis velocidades.

Durante rápido test drive nas proximidades da concessionária, o modelo demonstrou ser confortável e acomodar bem sete pessoas. O desempenho não empolga, mas a visibilidade é boa. As duas unidades trazidas ao Brasil contavam com revestimento de couro claro para os bancos, mas Habib informou que algumas mudanças serão feitas para adaptar a van ao gosto do brasileiro e, entre elas, o interior passará a ser escuro. O quadro de instrumentos deverá ser deslocado para o lado do motorista – na China fica no centro do painel.

T8 poderá ter segunda fileira com dois bancos individuais ou um inteiriço

T8 poderá ter segunda fileira com dois bancos individuais ou um inteiriço

O modelo tem opção de sete lugares – como as unidades que foram mostradas -, com dois bancos individuais na segunda fileira de assentos, ou oito lugares, com banco inteiriço para três pessoas. Habib disse que estão avaliando qual delas trazer. Mas adiantou que o modelo será vendido em uma única versão por aqui.

Entre os itens de série estão direção hidráulica, ar-condicionado automático, travamento central das portas, air bag duplo, freios ABS com EBD, rádio com MP3 e seis alto-falantes, vidros e retrovisores elétricos e rodas de liga leve de 15 polegadas. As unidades expostas tinham ainda GPS integrado ao painel (com mapa da China) e câmera de ré.

Número de fábricas no Brasil chegará a 25 em 2015

Celer_Sedan_frente

Chery anuncia durante o Fórum que também produzirá motores no País

Sueli Osório

Se tudo ocorrer conforme anunciado, o Brasil verá aumentar de 18 para 25 o número de fábricas de automóveis e comerciais leves entre 2013 e 2015. Também até 2015 passará de oito para 15 o número de fábricas de caminhões – incluindo a transferência da unidade da Navistar International, que saiu Caxias do Sul e desceu a serra gaúcha para Canoas, onde começa a funcionar em maio. Esse balanço foi feito durante o painel “As Expectativas para os novos Empreendimentos”, durante o IV Fórum da Indústria Automobilística, realizado ontem em São Paulo pela Automotive Business.

O montante de investimentos anunciados antes mesmo das definições do Inovar-Auto soma R$ 15 bilhões até 2015. A principal mudança é que, depois do anúncio das medidas do regime automotivo, muitos tiveram de repensar a operação, pois, o que antes seriam operações de montagem de componentes importados, agora, obrigatoriamente, devem ser fábricas completas, com grande conteúdo de peças nacionais.

Hoje no Brasil há nove fábricas novas – a maioria ainda em construção – que vão fazer automóveis e veículos comerciais leves. Dessas, já estão prontas as unidades da Hyundai em Piracicaba e da Toyota em Sorocaba, que entraram em operação no ano passado. Essas fábricas somam cerca de R$ 12 bilhões em investimentos e, até 2014, quando estiverem todas operando, vão acrescentar ao País mais 1 milhão de veículos por ano em capacidade instalada de produção.

Oito novas fábricas de caminhões e ônibus no País até 2015, com investimentos de R$ 3 bilhões, acrescentarão 80 mil veículos por ano à capacidade de produção nacional.

No meio desses investimentos todos, o País ganha cinco novas fábricas de motores ligadas às montadoras, que entram em operação entre este ano e 2015. Assim saltará de 13 para 18 o número de linhas de produção de propulsores, incluindo ciclo otto e diesel. Uma delas foi anunciada ontem, em primeira mão, durante o painel “As Expectativas para os novos Empreendimentos”. Luis Curi, vice-presidente da Chery Brasil, informou que a montadora aprovou investimento no País na fábrica da Acteco, divisão de motores da empresa chinesa. “Não sabemos ainda onde será e nem o valor do investimento. Estou indo para a China para definir isso, pois será feito em toque de caixa”, disse Curi.

Em relação à fábrica de Jacareí (SP), Curi informou que terá duas plataformas: a do Celer nas configurações hatch e sedã e um subcompacto. A produção deve começar no primeiro trimestre de 2014. “A Chery já estava voltada a nacionalizar o Celer o máximo possível para o mercado do Brasil e da América Latina para dar fôlego de exportações à China, fazendo com que a unidade brasileira fosse o mais independente possível, inclusive em compras”, disse. Segundo ele, um centro de desenvolvimento estava previsto para o País, mas agora a prioridade é a fábrica de motores.

Para a produção em Jacareí, Curi informou que a Chery convidou sete empresas chinesas para serem fornecedoras, mas não sabe se todas vêm. “A maioria deve acompanhar a Chery, que é uma estatal.” Ele disse que, no ano passado, a montadora realizou um encontro em São Paulo, com apoio do Sindipeças, reunindo mais 300 empresas. “Começamos a cadastrá-las, algumas já estão homologados e agora é a fase da precificação para ver se cabem dentro do orçamento predeterminado. Já são 14 empresas pequenas nacionais homologadas pela Chery. Facilitou bastante o fato de a Chery ter sistemistas na China com unidades no Brasil. A grande maioria delas será fornecedora aqui.“

Caminhões

Quem também está investindo em nova fábrica é a Paccar. São US$ 200 milhões em uma unidade em Ponta Grossa, Paraná, para fazer até 10 mil caminhões da marca DAF por ano. Outros US$ 120 milhões serão empregados no desenvolvimento de rede de concessionários, fornecedores e engenharia. No total, a DAF deverá ter mais de 100 concessionárias, o que representará investimento da ordem de US$ 300 milhões. “Vamos iniciar a produção em setembro. Não podemos entrar no Brasil sem distribuição profissional,”  afirmou Marco Antonio Davila, presidente da DAF Caminhões. Ele acrescentou que a marca foi aprovada no Inovar-]auto e pode importar 50% de capacidade de produção. “Mas achamos que vamos importar quantidade pequena de veículos apenas para demonstração. Não vamos importar nenhum modelo que não será produzido no Brasil. Será apenas o extrapesado XF.”

Sobre os fornecedores, Davila disse que, quando a DAF chegou ao Brasil, pôde desenvolver fornecedores que já são parceiros da marca em outras partes do mundo. “Mas também temos de desenvolver fornecedores locais, como a Usiminas, por exemplo. O processo é de adaptação. Vamos começar com 50 ou 60 fornecedores em setembro, quando começamos a produzir caminhões.”

Fiat

Antonio Damião, diretor de Desenvolvimento da Fiat Automóveis, explicou que o processo de desenvolvimento da fábrica de Goiana (PE) começou antes das definições do regime automotivo. “Lá será construído centro de pesquisa e desenvolvimento. Produtos novos vão nascer lá dentro do conceito do Inovar-Auto e os fornecedores estão alinhados. O difícil é fazer a fábrica, fazer um produto novo dentro de uma área a ser desbravada e não atender ao regime automotivo”, avaliou.

“Escolhemos 14 linhas estratégicas de produtos. Automaticamente vieram fornecedores que devem nos acompanhar em Goiana, principalmente os de peças maiores ou que tenham transporte complexo”, explicou Damião. Segundo ele, esses 14 fornecedores que estão dentro do polo da Fiat não poderão fornecer para outros fabricantes.

Novo carro e nova fábrica

Tarcício Telles, vice-presidente industrial da JAC Motors, disse que a montadora chinesa interrompeu os investimentos por alguns meses antes da divulgação do Inovar-Auto, no período de incertezas, mas agora tudo corre dentro do prazo. “Temos oportunidade única na indústria automobilística em que estamos construindo um carro para uma fábrica e uma fábrica para um carro.” Ele explicou que todos os processos produtivos, como estamparia e pintura, estarão instalados na fábrica e o parque de fornecedores fica próximo à unidade.

Além de automóveis, a JAC vai produzir caminhões. “Não dá para aproveitar todos os processos produtivos para carros e caminhões, mas a pintura vai ser comum, o que vai reduzir custos.”

Telles está satisfeito com a base de fornecedores de Camaçari e disse que o governo do Estado dá apoio muito forte. “Os fornecedores já existentes da Ford têm interesse em se tornarem fornecedores nossos também. Há empresas que acreditam muito no crescimento da marca e querem participar do projeto desde o início.”

Ele acrescentou que instalar-se na Bahia é fundamental. “Fornecedores que se instalam no nosso parque também podem fornecer para outros clientes, contanto que entreguem com qualidade e no prazo”, ressaltou, complementando que o primeiro carro da JAC Motors feito no Brasil sairá da linha de produção no fim de 2014 ou início de 2015.

 

 

JAC Motors começa a vender caminhãozinho T140

Comercial leve custa R$ 69.900, tem três anos de garantia e será produzido no Brasil em 2014

Sueli Osório

O presidente da JAC Motors, Sergio Habib, apresentou hoje à imprensa o comercial leve T140, com preço de R$ 69.900 e com três anos de garantia.  O objetivo da marca é ampliar suas linhas de atuação e expandir os negócios no Brasil, de olho em uma significativa parcela de vendas desse segmento de mercado. Só neste ano, a previsão é que cerca de 30 mil unidades desses veículos sejam vendidas por todas as marcas, o que abre uma robusta oportunidade de a JAC Motors atuar também com seu exemplar.

Fotos: DivulgaçãoJAC T140 custa R$ 69.900 e tem três anos de garantia

Fotos: Divulgação
JAC T140 custa R$ 69.900 e tem três anos de garantia

Como maior diferencial para enfrentar a concorrência, o JAC T140 vai apostar no desempenho. O modelo é dotado de motor Cummins de 140 cv, disponíveis a 3.600 rpm, com torque máximo de 28,6 mkgf que aparece já a 1.600 rpm. Completa o conjunto de powertrain o câmbio ZF, de cinco velocidades.

Caminhãozinho tem motor Cummins de 140 cv, disponíveis a 3.600 rpm, com torque máximo de 28,6 mkgf

Caminhãozinho tem motor Cummins de 140 cv, disponíveis a 3.600 rpm, com torque máximo de 28,6 mkgf

Com entre-eixos de 2,49 metros, o T140 permite versatilidade na adoção do implemento. A JAC Motors pretende atender a diversos tipos de aplicações urbanas, com destaque para as carrocerias de metal, madeira ou baú. Outra vantagem prometida é o baixo custo de manutenção, uma vez que efetuará as revisões na própria rede autorizada da marca, além de contar com o Centro de Distribuição de Peças.

Segundo a montadora, as longarinas que compõem o chassi são reforçadas, com perfis em “U” de 130 mm de altura por 55 mm de largura. A chapa tem espessura de 5 mm. Internamente, o modelo dispõe de direção hidráulica, com coluna regulável na altura, vidros e travas elétricos, freio-motor acionado numa alavanca presa à coluna, de fácil alcance para o motorista, além de sistema de som com entrada USB no porta-luvas. Os freios são assistidos por ABS.

Segundo Habib, inicialmente estarão disponíveis 500 unidades do T140 para avaliar o mercado. O caminhão também necessitará de uma adaptação para a inclusão do air bag frontal, que será obrigatório no País a partir de 2014.

Modelo será produzido na Bahia

O Complexo Industrial JAC Motors, que está sendo erguido em Camaçari, na Bahia, vai também abrigar a produção de veículos comerciais. Segundo o novo plano, que vai exigir aportes de R$ 100 milhões, acrescidos aos R$ 900 milhões anteriormente previstos, a produção também será iniciada no final de 2014. O modelo escolhido é o T140, que está sendo lançado neste mês no mercado brasileiro – por ora, ainda importado da China.

De acordo com Sergio Habib, a ideia é aproveitar boa parte da estrutura já desenhada para também incluir a produção de caminhões. “Estamos prevendo fabricar veículos de até 6 ou 8 toneladas, ou menores, que é o limite físico para aproveitamento da cabine de pintura”, explica. Quando estiver operando com capacidade plena, a planta irá produzir até 10 mil unidades de veículos comerciais ao ano, sem contar os 100 mil carros de passeio.

O Complexo Industrial JAC Motors vai incluir um centro de desenvolvimento de novas tecnologias – como a adoção de um motor com sistema de alimentação flex com sistema de partida a frio por intermédio de pré-aquecimento de bicos injetores –, centro de estilo e design, laboratórios de acústica e controle de emissão de poluentes, pista de testes e centro de capacitação profissional, além das tradicionais etapas de produção, como estamparia, soldagem, pintura, montagem e testes finais. A fábrica também terá estamparia de componentes.

Ficha técnica: T140

Tração: 4×2

Motor:  Combustível:  Diesel

Modelo: Cummins 2.8

Cilindrada (cm³): 2800

Potência: 140 cv a 3600 rpm

Torque: 28,6 mkgf a 1600 rpm

Transmissão:   ZF 5S400 mecânica

Direção: Hidráulica

Freios: Hidráulicos com ABS

Dimensões (mm): Entre-eixos: 2490

Largura: 1720

Comprimento máximo: 4725

Altura: 2194

Bitola dianteira/traseira: 1440/1395

Balanço dianteiro/traseiro: 1065/1170

 Pesos (kg): Carga útil + Carroceria: 1570
Peso Bruto Total (PBT): 3490

 

 

 

 

JAC Motors estreia no segmento de comerciais leves com o modelo T140

O  T140 será vendido por R$ 69.900 e terá três anos de garantia sem limite de quilometragem

Sueli Osório

Tradicional fabricante de veículos comerciais na China desde os anos 1960, a JAC Motors, disposta a ampliar suas linhas de atuação e expandir os negócios no Brasil, lança o comercial leve T140, que será vendido por R$ 69.900 e terá três anos de garantia. A chinesa está de olho em uma significativa parcela de vendas desse segmento de mercado no País já que, só neste ano, a previsão é que cerca de 30 mil unidades desses veículos sejam vendidas no Brasil, o que abre uma robusta oportunidade de a marca atuar também com seu exemplar.

Foto: DivulgaçãoJAC  T140 será vendido por R$ 69.900 e terá três anos de garantia sem limite de quilometragem

Foto: Divulgação
JAC T140 será vendido por R$ 69.900 e terá três anos de garantia sem limite de quilometragem

Como maior diferencial para enfrentar a concorrência, o JAC T140 vai apostar no desempenho. Com o trânsito cada vez mais congestionado, a logística de transporte urbano é um ponto crucial na elaboração dos custos e no desenvolvimento dos negócios de pequenos e médios empresários. Sair com o caminhão para efetuar entregas em meio aos congestionamentos frequentes dos grandes centros urbanos transforma-se na maior equação a ser solucionada pelos empresários. Pior, ainda, quando o desempenho desses veículos não fornece muitas garantias de que a velocidade planejada poderá ser cumprida e as entregas, portanto, serão realizadas nos prazos previstos.

Atenta a essa lacuna de mercado, a JAC Motors resolveu trazer ao Brasil o caminhão leve T140, com  potência de 140 cvs. “Claro que nosso maior diferencial é o robusto motor Cummins de 140 cv de potência. Quem utiliza um caminhão como esse com carga total sabe o esforço que o motorista precisa realizar para imprimir um desempenho satisfatório quando dispõe de pouca potência”, explica Sergio Habib, presidente da JAC Motors.

Além dos 140 cv, que são disponíveis a 3.600 rpm, o torque máximo de 28,6 mkgf aparece a 1.600 rpm. Com entre-eixos de 2,45 metros, o T140 permite versatilidade na adoção do implemento. Outra vantagem prometida pela marca chinesa será o baixo custo de manutenção, uma vez que efetuará as revisões na própria rede autorizada JAC Motors, além de contar com o Centro de Distribuição de Peças.

Equipado com tecnologia EGR, o novo caminhão da marca enquadra-se à legislação brasileira, atendendo ao Proconve L5. O modelo tem capacidade para 1.570 kg de carga útil, com peso bruto total de 3.490 kg. O chassi versátil possibilita a fácil instalação de implemento de metal, madeira, baú de alumínio ou câmera frigorífica.